Antes e Depois – 2ª fase do Exame de Ordem

/ 0 Comentários / 700 Visualizações /

Avalie esse post

Que sensação maravilhosa quando tiramos o peso dos ombros!

 

Antes de concluirmos qualquer projeto ficamos estressados, apreensivos, estudamos, elaboramos estratégias, pesquisamos, lemos, enfim, imprimimos toda nossa energia para fazer acontecer, não é assim mesmo?

 

Depois do dever cumprido é hora de relaxar, de continuar com as outras tarefas da vida, de pensar no presente e aguardar o futuro com serenidade.

 

No último artigo que escrevi antes da prova da segunda fase, alertei os candidatos para assumirem uma postura de advogado na elaboração da peça. É isso que a OAB espera.

 

Ora, se o exame avalia a condição do candidato para receber a inscrição na Ordem e ingressar na profissão de advogado, nada mais lógico do que realizar a prova como um verdadeiro advogado, com esse espírito.

E se é assim, o candidato que realizou a prova da segunda fase também deve comportar-se como um advogado após a prova.

 

Como assim?

Explico: quando um advogado assume a defesa dos interesses do cliente, passa por todo o estresse para estudar o caso, encontrar a melhor tese, pesquisa jurisprudência, lê vários autores etc. Depois de elaborar a peça ou o recurso, a sensação é de dever cumprido. Só resta fazer o protocolo e aguardar o resultado, o julgamento.

 

A partir daí, o advogado irá cuidar de outros casos, irá retomar a academia, que deve ter parado de frequentar, voltará a ver os amigos e pensará até em viajar no final de semana. Isso acontece comigo. Acreditem!

 

Você que realizou a prova da segunda fase deve fazer o mesmo! Agora é tempo de retomar a vida, de parar de pensar no que você respondeu, no que esqueceu de inserir, ou naquilo que respondeu errado. Retome sua vida social e profissional. Ocupe seu tempo com novas tarefas e aguarde serenamente o resultado, assim como um advogado aguarda a decisão após a sua manifestação.

 

Não há mais nada a fazer, apenas esperar, e a sua espera poderá ser tranquila, só depende de você.

Já não basta ter ficado tanto tempo só fazendo peças? Não basta o nervoso que sentiu nas últimas semanas e que foi se agravando a cada dia?

 

Após o resultado, aí sim, você deve reavaliar sua atuação e usar o recurso, se for o caso. Afinal, quando um advogado não obtém o resultado pretendido, ele deve recorrer, não é mesmo?

 

 

Deixe seu Comentário