7 dicas simples para se dar bem na 2ª fase da OAB

/ 0 Comentários / 4293 Visualizações /

Avalie esse post

A 2ª fase do XVI Exame de Ordem será aplicada no dia 17 de maio, às 13h, em todo o território nacional. O resultado final da 1ª fase foi publicado na última sexta-feira, 17, após a análise de recursos. Se o seu nome estava na lista de aprovados, parabéns! Agora é foco total na prova prático-profissional.

 

Diferentemente da 1ª fase, composta por questões objetivas e de conhecimentos gerais de diferentes áreas do Direito, a 2ª fase avalia a capacidade prática do candidato através da construção de uma peça profissional em uma área específica, escolhida pelo examinando no momento da inscrição.

 

Além da construção da peça, a prova ainda conta com quatro questões dissertativas sobre a disciplina específica. Isso quer dizer que a 2ª fase requer maior atenção, concentração, além de preparo físico e mental. Afinal, a prova tem duração de 5 horas e é fundamental saber lidar com a pressão e ansiedade.

 

Listamos 7 dicas que vão te ajudar nessa etapa decisiva:

 

  1. Não existe uma ordem obrigatória, contudo procure iniciar a prova pela peça prático-profissional, pois somente ela representa peso 5 na pontuação final. Dedique-se bastante, porém não se esqueça das questões dissertativas! Cada uma vale 1,25 pontos e você precisa de 6 na soma final para ser aprovado.

 

  1. Fique atento à administração do tempo de prova. Troque o rascunho da peça inteira por um esboço, apenas organizando a sequência dos elementos que compõem a peça, como por exemplo: endereçamento, tipo de ação, autor, réu, lastro dos fatos, dispositivos legais, pedidos, valor da causa, etc.

 

  1. Familiarize-se com o seu material de consulta.Leia bastante nos dias anteriores à prova e saiba exatamente onde as coisas estão. Na hora da prova, cada minuto economizado será de grande utilidade. Caso você não encontre o que precisa, deixe a questão para o final e concentre-se no que você sabe.

 

  1. qualidade da redação também merece atenção. Com o uso frequente de computadores e celulares, erros de ortografia, abreviações e vícios de linguagem são comuns. Portanto, muito cuidado!

 

  1. Lembra daquele caderno de caligrafia que a professora fazia você treinar a escrita? Se necessário, utilize-o novamente. Letras ilegíveis despertam resistência no avaliador e podem causar confusões e equívocos na hora da correção.

 

  1. Não limite-se a apenas citar o instituto ou o dispositivo legal, demonstre que você sabe do que está falando e aproveite para explicar um pouco, com as suas palavras, o significado ou a função dentro do contexto apresentado.

 

  1. Jamais, em hipótese alguma, assine a peça ou coloque qualquer informaçãoque não consta na questão da prova. Erros dessa natureza podem ser enquadrados como identificação e resultar na anulação da peça.

 

 

 

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *