Especial Dia do Advogado – Leonardo Pereira

/ 0 Comentários / 239 Visualizações /

Avalie esse post

Dando início às comemorações pelo Dia do Advogado, celebrado em 11 de agosto, o advogado e diretor acadêmico do nosso parceiro IOB Concursos Marcato, Leonardo Pereira, conta sua trajetória pela profissão, inclusive sua experiência com o Exame de Ordem.

 

leonardo pereira

 

“Sou formado há quase 10 anos, e tendo escolhido seguir carreira pública antes mesmo de entrar na faculdade, minhas experiências no mundo jurídico sempre foram mais teóricas do que práticas. Porém desde cedo, ainda na fase de prestação de serviços nos núcleos de prática jurídica da faculdade, percebia o brilhantismo do Direito como ferramenta de atuação do profissional na busca pela defesa do Direito do Cliente.

 

Trabalhei como um dos primeiros conciliadores do Juizado do Consumidor de Belo Horizonte, terminando por me apaixonar pela função, o que me rendeu o triplo do tempo regulamentar de estagiários. Ficava fascinado ao ver a flexibilidade interpretativa das leis: duas partes, ambas com suas razões muito bem fundamentadas, eram direcionadas à melhor solução por meio da aplicação do Direito, Jurisprudência, bom senso das partes e, claro, com conhecimento do juiz.

 

Pude presenciar ali uma revolução. Um direito novo, sendo aplicado e respeitado. Nascia diante de meus olhos uma fase muito importante para o que hoje conhecemos como Direitos do Consumidor.

 

Logo após, fui ser assistente no extinto Tribunal de Alçada de Minas Gerais, experiência que me rendeu uma outra visão da justiça. Me tirava do sério ver um indiciado, com chances de ver sua situação carcerária ser revertida, não tendo a devida assistência. Ora por estarem assistidos por advogados despreparados ou desatualizados, o que é muito triste, ora por terem processos conduzidos por um advogado público desmotivado.

 

Depois disso, decidi prestar concursos e, para estar mais perto desse universo e com condições de me financiar, estagiei em um curso preparatório e passei a cuidar da monitoria do curso, auxiliar na elaboração de cursos e sugerir nomes de professores. Cheguei à coordenação e, finalmente, à direção. Fui aprovado em alguns concursos, mas acabei me direcionando à gestão de cursos.

 

E em meio a tantos planos, recordo-me como hoje, do último dia de inscrições para o Exame da OAB-MG (sim, o exame ainda era por estados), estava decidido a não fazer a prova, já que meu foco eram os concursos, quando um amigo, com muito mais clareza de espírito que eu, me disse: “Faça o Exame. Você não sabe o dia de amanhã!”. Uma vez inscrito, mudei meu foco de estudos temporariamente, pensando na temida prova.

 

Estudei como louco, montei estratégias, contei com a ajuda dos colegas e passei de cara, nas duas fases, naquele que foi tido como o mais difícil dos exames de Minas Gerais. Não foi mérito meu, pois acho que fiz minha obrigação. Os caminhos se abriram depois disso. Fiz duas pós-graduações e um mestrado (até agora).

 

E hoje, depois de 17 anos vivenciando o Direito, percebo como ele é abrangente, como é acolhedor. Aqui se advoga, defende, leciona, estuda, acusa, julga, pesquisa, legisla, decide. E por ser tão rico, merece respeito de quem o conduz. Por ser tão amplo, abre muitas portas, possibilidades…é generoso com quem o trata bem, duro com quem o ignora. É uma entidade justa e correta, como todos os princípios que propaga.”

 

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *