embriaguez no trabalho

Faltas, ofensas e embriaguez no trabalho geram demissão por justa causa

/ 0 Comentários / 185 Visualizações /

Avalie esse post

De acordo com o juiz do Trabalho substituto Marcos Ulhoa Dani, de Brasília/DF, faltas injustificadas, embriaguez no serviço, quebra proposital de materiais de trabalho e ameaça a colegas de trabalho são motivos para demissão por justa causa a um trabalhador.

 

Entre as atitudes do trabalhador, que tinha o cargo de varredor na empresa, foi destruir propositalmente oito enxadas de propriedade da empresa para não trabalhar, ofender o colega de trabalho, inclusive proferindo ameaças e palavrões, e se apresentar totalmente embriagado ao serviço, sem condições de trabalhar.

 

Além destas ocorrências, há outras registradas nos autos, como faltas injustificadas, e total desídia ao trabalho, em que se comprovou que o reclamante, simplesmente, não fazia o seu serviço.

 

A dispensa foi motivada pela embriaguez no serviço, comprovada o teste do etilômetro feito no trabalho, que apresentou o percentual de álcool no sangue de 1.164 mg/por litro – o limite do Contran para dirigir é 0,05 mg/l.

 

De acordo com o juiz, o reclamante, por suas atitudes, incompatibilizou-se com o ambiente de trabalho, pois não há como a empregadora confiar em um empregado que, por múltiplas vezes, não comparece ao serviço, recusa-se a trabalhar, quebra instrumentos de trabalho propositalmente para não trabalhar, ameaça e xinga companheiros de trabalho, desrespeita superiores e se apresenta embriagado ao serviço, sendo certo que a quantidade de faltas foi excessiva. “A reclamada foi, inclusive, muito paciente com o autor que, por repetitivas vezes, mostrou seu comportamento desidioso, desrespeitoso, violento e contrário às obrigações de um contrato de trabalho”, disse o magistrado.

 

E, assim, o juiz negou todas as verbas trabalhistas requeridas pelo autor da reclamação trabalhista, confirmando a justa causa aplicada pela empresa, e a enquadrou em 6 alíneas (das 12) do artigo 482 da CLT. O advogado Felipe Rocha de Morais atuou na causa pela empresa.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *