Justiça determina remoção do aplicativo Secret no Brasil

Justiça determina remoção do aplicativo Secret no Brasil

/ 0 Comentários / 119 Visualizações /

Avalie esse post

A justiça do Espírito Santo determinou, através de liminar, a retirada do aplicativo Secret das lojas virtuais App Store (Apple) e Google Play (Android), bem como de todos os celulares em que estão instalados, sob alegação de violação da Constituição.

 

A 5ª Vara Cível de Vitória (ES) entendeu que os aplicativos permitiam e incentivavam o compartilhamento de frases e fotos com potencial lesivo, além de dificultar a identificação dos autores em caso de reparação civil. A medida também se estende ao Cryptic, aplicativo similar ao Secret, desenvolvido pela Microsoft.

 

app-secret1

 

O Secret foi lançado nesse ano, com a finalidade de que os usuários possam compartilhar histórias e segredos a partir da publicação de fotos e mensagens anônimas, com a possibilidade de receber comentários de outros usuários. De acordo com a ação civil pública, muitas pessoas estão sofrendo constrangimentos sem que possam se defender, devido ao anonimato.

 

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo considerou que os aplicativos são ferramentas para a prática e incentivo do “bullying virtual”. Apesar de ser possível “rastrear” o usuário, o juiz considerou que “a utilização dos aplicativos desrespeita a parte final do artigo 5º, IV, da Constituição Federal (vedação ao anonimato), bem como inviabiliza, ou pelo menos torna extremamente difícil, a possibilidade de obter indenização por dano material ou moral decorrente de eventual violação ao direito da privacidade, honra e imagem das pessoas”, afirma.

 

Dessa forma, a justiça deu um prazo de dez dias para que as empresas Apple, Google e Microsoft cumpram a medida e fixou uma multa de R$ 20 mil por dia no caso de descumprimento da decisão. A gratuidade dos aplicativos foi fator decisivo para a determinação, com o intuito de controlar a disseminação dos mesmos.

 

Clique aqui para ler a decisão.

 

 

Com informações de Consultor Jurídico e G1

 

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *